Grace of Air

Publicado: outubro 11, 2007 em general insanity, sketches

Desço pela ladeira ouvindo as badaladas que marcam as horas da minha vida.

Um, dois, doze, dezoito, vinte e oito. Todas soam melhores do que as anteriores e ainda assim é difícil não sentir um salgado de saudade deixado para trás nas bordas dos sinos. Cada lágrima derramada, cada pedaço retorcido de um coração partido, cada momento ridículo e irredutível desenham os frisos no pedaço de metal e transformam-no de uma forma grande, pesada e desengonçada no mais gracioso instrumento que já ouvi.

São as horas da minha vida que estão gravadas ali. Todos os tons e intenções.

Toda a graça do meu mundo.

Anúncios
comentários
  1. V. disse:

    algumas vidas são chiados, outras são acordes (afinados ou não)… o ribombar dos sinos com certeza é o que deixa as marcas mais profundas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s